30 de setembro de 2010

O Meme de um Mês - 2010

Quando caí sem querer no Blog da Happy Batatinha, logo descobri o Meme de um Mês, que ela descobriu pelo blog da Ana Carolina, que descobriu por um outro que deve ter descoberto por um outro e assim sucessivamente. 
A ideia dessa Meme é postar algo relacionado ao assunto do dia durante os 31 dias do mês, que no meu caso será Outubro. 
Ok, eu já pensei que talvez eu vá faltar em alguma dia, mas estou empolgada com ele e o farei. 

Abaixo, a lista dos assuntos de cada dia: 


Dia 01 – Sua música favorita
Dia 02 – Seu filme preferido
Dia 03 – Seu programa de televisão favorito
Dia 04 – Seu livro favorito
Dia 05 – Uma citação de alguém
Dia 06 – Uma experiência inesquecível
Dia 07 – Uma foto que te faz feliz
Dia 08 – Uma foto que te deixa irritado / triste

Dia 09 Uma foto que você tirou
Dia 10 – Uma foto de você há mais de dez anos
Dia 11 – Uma foto sua recente
Dia 12 – Um conto
Dia 13 – Um livro de ficção
Dia 14 – Um livro não-ficcional
Dia 15 – Uma fotomontagem
Dia 16 – Uma musica que faz você chorar (ou quase)
Dia 17 – Uma obra de arte (pintura, desenho, escultura, etc)
Dia 18 – Um poema
Dia 19 – Um talento seu
Dia 20 – Um hobby
Dia 21 – Uma receita
Dia 22 – Um site
Dia 23 – Um vídeo do YouTube
Dia 24 – Seu lugar preferido
Dia 25 – O seu dia, em grande detalhe
Dia 26 – Sua semana, em grande detalhe

Dia 27 – Este mês, em grande detalhe
Dia 28 – Este ano, em grande detalhe
Dia 29 – O que você espera, os sonhos e planos para os próximos 365 dias
Dia 30 O que você quiser
Dia 31 – O Bônus ou O Fim


PS: Amanhã começo o desafio. Espero que gostem. Beigos

29 de setembro de 2010

Quero Ler #4

Três livros que desejo muito ler, quero, mas que estão na fila para serem adquiridos, comprados ou encontrados nas bibliotecas da cidade.

Jogos Vorazes - Suzanne Collins 

The Hunger Games acontece em um período não identificado do futuro, em uma nação conhecida como Panem, isso tudo após a destruição da América do Norte. Panem consiste em um rico distrito, o Capitol, e ao redor desse há outros doze distritos mais pobres. Como castigo por uma rebelião anterior contra o Capitol, a cada ano um menino e uma menina de cada distrito, com idades entre doze e dezoito anos, são selecionados por sorteio e forçados a participar do Hunger Games, um evento televisionado onde os participantes, ou “tributos”, devem lutar até a morte em um arena ao ar livre, até que apenas um permaneça. 
A história segue a vida de Katniss Everdeen, uma menina de 16 anos que se voluntaria a jogar o 74º Jogo no lugar de sua irmã mais nova, Prim, quando essa foi escolhida para participar dos Jogos. O rapaz Peeta Mellark também foi escolhido para participar do Jogk, sendo este do mesmo distrito que Katniss, ele já salvou a vida dela dando o próprio pão, quando a família de Katniss estava passando fome.

*
O Homem Nu - Fernando Sabino

Sabino lançou O homem nu em 1960. Um livro de contos que tomou emprestado o título de uma história de apenas quatro páginas. Nas poucas linhas, o autor descrevia o drama de um homem que, sem roupa, vai ao corredor de seu edifício pegar o pão e fica preso do lado de fora de casa. A idéia, muito boa, virou filme em 1967 — estrelado por Paulo José e Leila Diniz — sob a direção de Roberto Santos. Sabino, porém, não gostou muito do resultado e fez sua própria roteirização da história. A partir daí, transformou o material na novela A nudez da verdade, que em 1994 entrou na trilogia Aqui estamos todos nus.
Com a reedição de O homem nu, os leitores têm a oportunidade de se reencontrar com a centelha de criatividade original que resultou em dois filmes. Façanha rara na literatura brasileira.

Um Momento Inesquecível - Nicholas Sparks
A volta do autor dos bestsellers "O Diário da Nossa Paixão" e "As Palavras que Nunca te Direi" com um romance terno e comovente sobre o verdadeiro significado da beleza, da generosidade, da perda e acima de tudo do poder mágico do amor. Nicholas Sparks conta-nos desta vez a história de dois adolescentes – Landon e Jamie Sullivan. Dois adolescentes com percursos antagonicos e interesses divergentes. Nada mais nada menos do que um jovem estudante boêmio e descomprometido e a antiquada filha do pastor batista de uma pequena cidade americana. Mas naquele estranho Natal de 1958, Landon olhará Jamie com os olhos da paixão o que irá mudar radicalmente o rumo daquelas duas vidas...

PS: E Beigos para o João Lucas Pereira

27 de setembro de 2010

Playlist da Semana #2

Postagem sobre todas as bandas, artistas e suas músicas, que mais tocaram e fizeram-se presente em minha semana. 

Decidi falar de apenas uma banda que fez parte da trilha sonora da minha semana, não podendo deixar de citar Katy Perry e..., ouvi apenas dois artistas essa semana? Nossa. 

The Static Jacks 
Essa banda foi uma surpresa. Eu não esperava nada daqueles cinco caras, e é sempre assim: quando não espero nada, a banda sempre se mostra aquilo que eu sempre procuro e demoro a encontrar.
Diria que conhecer o Static foi um presente do Purevolume para mim na última segunda-feira, dia 19. 
O Static estava como destaque na página inicial do site, eu como sou uma curiosa nata e sempre me interesso por conhecer novas bandas e quando estas estão como destaque, eu penso que se elas estão ali é: por serem muito boas ou possuem gravadoras para bancarem aquele anúncio. 
O Static é a banda da primeira opção: eles são bons de verdade. 
E se eu continuar a falar, vão me chamar de fanática - o que não nego ser. 

Abaixo, as músicas do The Static Jacks do meu segundo Playlist da Semana: 

Ouça: 



PS: Semana que vem tem mais, e prometo que ouvirei mais música. 

21 de setembro de 2010

Quero Ler #3

Três livros que desejo muito ler, quero, mas que estão na fila para serem adquiridos, comprados ou encontrados nas bibliotecas da cidade.

E como prometido, aqui estão os livros de autores nacionais mais desejados por mim: 

As Meninas - Lygia Fagundes Telles 
Não foram muitos os escritores que, no auge da ditadura militar no Brasil, abordaram em seus textos temas como a repressão e a tortura e escreveram obras de contestação como As meninas , de Lygia Fagundes Telles. Livro árduo, dolorido e lindo, As meninas relata os conflitos no relacionamento de três jovens que têm entre si um ponto em comum, a solidão, e como pano de fundo os governos militares. Três universitárias compartilham com algumas freiras um pensionato em São Paulo. Ana Clara gosta de um traficante e vive drogada. Lia briga contra o regime. Lorena, filhinha de papai, ajuda as outras duas com dinheiro. Lia se envolve com Miguel, que é preso e trocado por um diplomata. Sem ligar para a política ou as drogas, Lorena se apaixona por um médico casado e pai de cinco filhos. Um enorme espaço separa o universo das pensionistas e seus dramas das religiosas, que se apavoram com a liberdade das três moças. Cada uma das personagens é um poço de conflitos e monólogos interiores que vêm à tona através das confidências íntimas de cada uma e que se ligam à miséria política e cultural da época. O texto de Lygia Fagundes Telles não cai na vulgaridade, não se banaliza apesar do tema. A linguagem é coloquial e expressiva e os diálogos abandonam as conveniências formais. As meninas de Lygia são, afinal, as jovens do nosso tempo, saídas da adolescência e ingressando na plenitude da mocidade. Nada mais atual. Apontada pela crítica como um sucesso absoluto, As meninas é uma obra que resultou do esforço de três anos de trabalho dessa autora perseverante, que valoriza a palavra e mostra, através de seus textos, a luta de todos nós em defesa da liberdade.

Todas as Estrelas do Céu - Enderson Rafael
Podem dois irmãos adotivos se apaixonarem um pelo outro?
Caroline e Leandro são dois adolescentes de uma bem resolvida família de classe média, ele adotado, ela filha biológica do casal Marco e Lúcia. Diante dos conflitos da adolescência, do colégio, do vestibular, ambos se vêem diante de mais um dilema: um amor impossível e todas as consequências da busca pela felicidade ao lado da pessoa amada. O desafio dos dois em entenderem o que passa consigo mesmo, em enfrentar os pais, a sociedade e sua própia consciência é exposta neste romance honesto, ágil e de final surpreendente.Uma obra polêmica e doce ao mesmo tempo, com um tema inusitado, falado de igual para igual com os jovens ou mesmo para quem já passou da adolescência.

Essa Terra - Antônio Torres
Essa Terra retrata o impacto da cidade grande sobre o retirante, o imigrante nordestino. O próprio autor, nascido na pequena cidade de Junco, interior da Bahia, percorreu os mesmos caminhos dos seus personagens, deixando o Nordeste para procurar a sorte nas metrópoles do Sudeste. E a encontrou.




BônusNove Minutos com Blanda - Fernanda França
Ótimo panorama. A minha mãe e a minha sogra planejavam o meu casamento, eu nem sequer sabia se o meu namorado queria se casar comigo e eu não parava de pensar em um cara cujo nome eu desconhecia. Naquele momento, pensei: “Sou a pior espécie de mulher que já existiu, mas não posso desistir de mim mesma, senão estou perdida”. Decidi dar uma chance para o que é real e tentar esquecer a história de cinema com o gerente de banco que era baterista. Até porque história de cinema é escrita para cinema e só acontece no cinema. Seria diferente comigo?

PS: Essa Terra e As Meninas estão na lista das obras literárias para o vestibular da universidade que prestarei em Dezembro, fiquei feliz por serem dois livros que sempre quis ler. 

Beigos!

19 de setembro de 2010

Playlist da Semana #1

Postagem sobre todas as bandas, artistas e suas músicas, que mais tocaram e fizeram-se presente em minha semana. 
O Playlist da Semana não tem como intuito inicial a disponibilização das tais músicas da minha semana, é uma postagem mais voltada para meus comentários sobre a música, mas abro uma excessão desde já para artistas nacionais que têm suas músicas disponíveis para download gratuito e remunerado no site da Trama Virtual.

O Tempo do Móveis Coloniais de Acaju
Se não estou enganada, O Tempo foi uma das primeiras canções do Móveis que eu conheci. Sim, estou errada, a primeira foi Esquilo não Samba.  O que fez com esse single da gangue brasiliense fosse a música da minha semana foi a letra: 
A gente se deu tão bem/ Que o Tempo sentiu inveja/ Ele ficou zangado e decidiu/ Que era melhor ser mais veloz/ E passar rápido pra mim 

Cadastre-se no site da TramaVirtual e faça o download dessa música e de todas as outras do Móveis.

People Say do Portugal. The Man 

Portugal. The Man voltou para minha vida depois que ao retirar as fotografias de um mural meu, encontrei o nome da banda escrito nele com uma letra enorme - não ouvia a banda há meses, muito meses. People Say, é - se não me engano - a faixa que abre o disco The Satanic Satanist,  tocou meu coração. A música me lembra praia, me faz pensar em minha família, tem um poder relaxante incrível sobre mim... E ela, foi a música de artista internacional que mais ouvi essa semana - sem exageros - já sou capaz de cantar a música até de trás pra frente - quanto exagero

The Dead Dog do Portugal. The Man
Outra do Portugal. The Dead Dog é a primeira d American Ghetto, o novíssimo novo disco deles. Por ser o primeiro single que ouvi do disco, a música acabou tornando-se a adorada do momento e ocasionalmente a preferida essa semana. 
Ouça todas as canções do American Ghetto no Purevolume da banda.


Brand New T-Shirt do  Holger
Brand estava como destaque na página inicial do TramaVirtual, cliquei na música e já fiz o download dela... É só Brand New T-Shirt começar para eu esquecer o que estou fazendo e começar a cantar e dançá-la. Um dos problemas do Holger é o poder de sempre me fazer bem: posso estar chorando, Brand ou mesmo The War começa a tocar e as lágrimas param, as letras fluem  e eu sinto esperança - bem que eu disse que seria meus comentários sobre a música, talvez você não consiga visualizar nada disso que digo ao ouvir as canções do Holger mas não custa nada tentar e conhecer essa banda brazuca, de São Paulo que formou-se em 2008 e que entrou em minha vida em 2009 com The Auction. 
Faça o download de Brand New T-Shirt e de outras músicas do Holger


I'm The Type Of Person To Take If Personal do Breathe Carolina
Há um mês atrás, eu ouvia diariamente Breathe Carolina, quando meu irmão ainda estava morando comigo e meus pais, por ele ter o BC como seu duo preferido e ser obrigado a ouvir músicas e compartilhá-las com a casa inteira, pois, eu quebrei seus fones, haha... Como ele se mudou - independência? - deixei de ouvir todos os dias o disco Hello Fascination mas essa semana, senti saudades de meu irmão e ocasionalmente, de Kyle e David. 
I'm The Type... é  minha preferida, vem atrás de I.D.G.A.F e  Hello Fascination - que dá nome ao disco -, mas ao contrário das outras músicas, eu não me canso de I'm The Type..., esta sendo a música que eu mais pedia para meu irmão repetir.


PS: E aí, gostaram da Playlist da minha semana?

15 de setembro de 2010

Vou Ler #2

Violetas na Janela, um romance de Patrícia, psicografado por Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho 

Eu ainda estou encalhada em A Cabana, estou fascinada pelas Crônicas Marcianas de Ray Bradbury e hoje, o Violetas foi emprestado pelo Diego, obrigada, Billy Idol! Alguns amigos já leram, minha professora de Redação já leu e agora serei eu, como o livro é fino com certeza o lerei em pouco tempo. 

PS: Estou precisando estrear, logo, logo, a seção de resenhas no blog, não acham?

11 de setembro de 2010

Quero Ler #2

Três livros que desejo muito ler, quero, mas que estão na fila para serem adquiridos, comprados ou encontrados nas bibliotecas da cidade.

Slam  - Nick Hornby
Sam vivia aquela que parecia ser a melhor fase da sua vida. A mãe tinha se livrado daquele namorado mala do Steve, a professora de arte o incentivava a fazer faculdade, ele tinha aprendido duas novas manobras no skate e ainda havia a Alicia, a garota mais linda e descolada do mundo. Para completar, tinha também os conselhos de Tony Hawk, tirados diretamente do pôster da parede do quarto e das linhas do livro autobiográfico do campeão de skate – que Sam leu mais de 50 vezes. Mas como nada permanece igual por muito tempo, não demorou para tudo começar a mudar. E neste caso, um pouco para pior. Mas antes de contar como ele levou o maior tombo de sua vida, um verdadeiro "slam", o protagonista passa algumas informações importantes para o leitor. Agora, enquanto escreve, ele já tem 18 anos. E é aí que rememora o que aconteceu aos 16, quando estava no último ano do colégio, planejava estudar arte, passava horas andando de skate e começava a ter relacionamentos mais longos do que duas semanas. Naquela época, a mãe estava com 32 anos e o pai, 33. E quanto a ele. Bom, Sam também estava prestes a ser apenas 16 anos mais velho que seu primeiro filho... E nem o pôster de Tony Hawk, com suas respostas para tudo, sabia exatamente o que dizer sobre isso. Em questão de minutos, Sam levou um tombaço que virou sua vida de cabeça para baixo. Ele mal sabia que aquilo era só o começo. Para deixar a história mais curiosa para o público adolescente e um tanto mais atraente para os adultos, Hornby manda o garoto para o futuro. Não um futuro muito distante, mas longe o suficiente para deixar qualquer um - adultos e adolescentes – em estado de alerta. Aos poucos, o escritor revela os questionamentos que vão tomando conta do rapaz e as mudanças impostas pelo seu amadurecimento forçado, sempre com o tom engraçado e casual que faz dele um mestre em captar no cotidiano de homens em busca da sua identidade matéria-prima para seus romances. E demonstra a mesma habilidade para falar aos mais jovens que lhe rendeu milhões de fãs na casa do 25 aos 40 ao redor do mundo.

O Ladrão de Raios - Rick Riordan
Primeiro volume da saga Percy Jackson e os Olimpianos, O ladrão de raios esteve entre os primeiros lugares na lista das séries mais vendidas do The New York Times. O autor conjuga lendas da mitologia grega com aventuras no século XXI. Nelas, os deuses do Olimpo continuam vivos, ainda se apaixonam por mortais e geram filhos metade deuses, metade humanos, como os heróis da Grécia antiga.
Marcados pelo destino, eles dificilmente passam da adolescência. Poucos conseguem descobrir sua identidade. O garoto-problema Percy Jackson é um deles. Tem experiências estranhas em que deuses e monstros mitológicos parecem saltar das páginas dos livros direto para a sua vida. Pior que isso: algumas dessas criaturas estão bastante irritadas. Um artefato precioso foi roubado do Monte Olimpo e Percy é o principal suspeito. Para restaurar a paz, ele e seus amigos - jovens heróis modernos - terão de fazer mais do que capturar o verdadeiro ladrão: precisam elucidar uma traição mais ameaçadora que a fúria dos deuses.

Precisamos Falar Sobre o Kevin - Lionel Shriver
Lionel Shriver realiza uma espécie de genealogia do assassínio ao criar na ficção uma chacina similar a tantas provocadas por jovens em escolas americanas. Aos 15 anos, o personagem Kevin mata 11 pessoas, entre colegas no colégio e familiares. Enquanto ele cumpre pena, a mãe Eva amarga a monstruosidade do filho. Entre culpa e solidão, ela apenas sobrevive. A vida normal se esvai no escândalo, no pagamento dos advogados, nos olhares sociais tortos.Transposto o primeiro estágio da perplexidade, um ano e oito meses depois, ela dá início a uma correspondência com o marido, único interlocutor capaz de entender a tragédia, apesar de ausente. Cada carta é uma ode e uma desconstrução do amor. Não sobra uma só emoção inaudita no relato da mulher de ascendência armênia, até então uma bem-sucedida autora de guias de viagem. 
Cada interstício do histórico familiar é flagrado: o casal se apaixona; ele quer filhos, ela não. Kevin é um menino entediado e cruel empenhado em aterrorizar babás e vizinhos. Eva tenta cumprir mecanicamente os ritos maternos, até que nasce uma filha realmente querida. A essa altura, as relações familiares já estão viciadas. Contudo, é à mãe que resta a tarefa de visitar o "sociopata inatingível" que ela gerou, numa casa de correção para menores. Orgulhoso da fama de bandido notório, ele não a recebe bem de início, mas ela insiste nos encontros quinzenais. Por meio de Eva, Lionel Shriver quebra o silêncio que costuma se impor após esse tipo de drama e expõe o indizível sobre as frágeis nuances das relações entre pais e filhos num romance irretocável.


PS: Semana que vem, postarei um Quero Ler totalmente nacional pois eu, ao contrário do que você possa pensar, não desejo ler ou leio apenas livros de autores estrangeiros, valorizo muito a produção literária atual e antiga do meu país tropical. 

6 de setembro de 2010

Lista #1: Encalhados

Enquanto lavo a louça, organizo meu quadra-roupa ou quando deveria estar quebrando a cabeça com aquele exercício de Física, eu estou pensando em coisas a listar.
Percebi, tristemente, que na minha estante tenho meia dúzia de livros encalhados e são seis livros em questão, não uma generalização, hoje mesmo encontrei uma traça num deles e enquanto decidia dedicá-los atenção, me perguntei os motivos que me fizeram abandonar um a um ou ao mesmo nem começá-los pra valer.

Estes são os livros encalhados da minha estante:


Pinóquio - C. Collodi 
Na estante há quanto tempo? 1 ano e 8 meses
Em números as chances de lê-lo até o fim do ano: 6
Desculpa deslavada para tê-lo deixado de lado: Interesse zero para ler, ou mesmo reler, uma história que fez parte de minha infância.

À Sombra desta Mangueira - Paulo Freire
Na estante há quanto tempo? Cerca de 3 anos
Em números as chances de lê-lo até o fim do ano: 8
Desculpa deslavada para tê-lo deixado de lado: Li os dois primeiros capítulos mecanicamente, não capturei nada da leitura - nossa, capturar seria a palavra certa? Vocês entenderam. À Sombra... será o próximo a ser lido e dessa vez, o lerei de verdade, não apenas para falar que já li Paulo Freire e não ter compreendido nadica de nada. :)

A Metamorfose, Um Artista da Fome e Carta a Meu Pai - Franz Kafka
Na estante há quanto tempo? Cerca de 3 anos
Em números as chances de lê-lo até o fim do ano: 3
Desculpa deslavada para tê-lo deixado de lado:  Não é deslavada. Franz Kafka é complicado de ler. Muito complicado, muito. Até hoje não entendi 100% A Metamorfose mesmo eu tendo tido uma excelente professora que tentou ao máximo fazer esse conto ser compreendido por nossa turma em 2008.

Aconteceu em Salzburg - Helen MacInnes
Na estante há quanto tempo? Cerca de 3 anos
Em números as chances de lê-lo até o fim do ano: 0
Desculpa deslavada para tê-lo deixado de lado: Não é deslavada, é a verdade: estava no capítulo 7, adorando, aí tive a ideia genial de ler as páginas seguintes, com isso descobri no que daria toda aquela narrativa e então fui desistindo gradativamente de lê-lo por saber, quase, o final.

Nosos Filhos Longe das Drogas e do Àlcool - Edson Ferrarini
Na estante há quanto tempo? Cerca de 4 anos
Em números as chances de lê-lo até o fim do ano: 5
Desculpa deslavada para tê-lo deixado de lado: Nunca abandonei esse livro apenas estou lendo-o umas quatro páginas de seis em seis meses, meu senso de humor é terrível.

O sexto livro é O Vale da Redenção - Dely Coelho Nogueira
Na estante há quanto tempo? 1 ano
Em números as chances de lê-lo até o fim do ano: 8
Desculpa deslavada para tê-lo deixado de lado: Falta de tempo, falta de tempo...

PS: Fui obrigada a excluir a primeira postagem e fazer essa por problemas técnicos no blog - problemas no editor que estão ficando cada vez mais frequentes e estressantes.

1 de setembro de 2010

Vou Ler #1

Um Amor de Verdade da Zíbia Gaspareto - ditado por Lucius. 
Diários do Vampiro: O Despertar e O Confronto da L.J.Smith 
As Crônicas Marcianas do Ray Bradbury

Uau, nunca em um espaço tão curto de tempo ganhei e recebi tantos livros, vamos a eles: 

Um Amor de Verdade foi presente da  Edileuza Gomes, colega de classe. Eu não esperava que o livro que havia me prometido seria umEla havia me prometido um livro desde o mês passado e não esperava que fosse ser esse, eu havia pedido um livrinho de 64 páginas do catálogo da Avon e ganhar esse me fez sorrir mais. 

Eu não estava interessada em ler a série Diários do Vampiro, mãs, como não podia voltar atrás no pedido, hoje chegaram O Despertar e O Confronto - espero que goste da história mesmo eu estando com um pé atrás com histórias que envolvam vampiros, ou seja, demorarei pra ler esse dois livros. 

As Crônicas Marcianas do Ray Bradbury foi presente da Larissa Andrade, ela fez até uma dedicatória linda. Esse livro será o próximo que lerei após terminar A Cabana