26 de fevereiro de 2014

Na Prisão por Kazuichi Hanawa

Título: Na Prisão
Autor: Kazuichi Hanawa
Tradução de:
ISBN: 857616129X
Editora: Conrad
Ano: 2005
Páginas: 248



Na Prisão nada mais é do que o relato autobiográfico de Kazuichi Hanawa, preso por porte ilegal de armas em 1994. O seu fascínio lhe rendeu 3 anos preso em regime fechado.

Após conseguir liberdade condicional por bom comportamento, começou a colocar no papel o que "lembrava do ambiente e da rotina que viveu na penitenciária". 

Os ambientes da prisão e o seu dia-a-dia são capturados por um traço que me deixou muito impressionada.  
São momentos como quando permaneceu numa cela sozinho - quando a saudade dos cigarros apertou e o isolamento o fez pensar, pensar, pensar muito à rotina compartilhada com seus companheiros de cela após ser transferido: desde as refeições oferecidas em um complexo sistema de cardápios aos banhos cronometrados, passando pelos regulamentos: como se vestir, como andar, o que não deve ser feito, como seus pertences devem ser organizados de maneira a evitar punições.
Além de, em alguns capítulos, colocar outros presos como o centro. Num local em que o individual é suprimido pelo coletivo conhecer uma pessoa, seu nome e características pessoais, aquele que se alimenta falando, o outro que come em segundos e aquele ali que mastiga com a boca aberta me relembrou de que: o mangá revela nada mais do que "dificuldade em se manter a identidade em um ambiente no qual cada aspecto mínimo da sua existência é medido e controlado" e que cada atividade trivial executada por aqueles homens os distanciam dos homens que eram fora dali: as regras que controlam seu tempo, as revistas que podem ler existem para despersonificar o sujeito e moldá-lo aos valores que a sociedade japonesa exige de seus cidadãos.
Então, não é de se surpreender que a sensação mais comum entre eles seja a de culpa, de ser "um fardo para sociedade" e que eles estão arrependidos por seus crimes e que a lição foi aprendida direitinho. 
Porém, esse não é um sentimento que notei em todos os companheiros de cárcere, as perspectivas de futuro para alguns não existem: o que farão após serem libertados? Então, a aproximação da liberdade para alguns não é um alívio e sim um tormento. Ficar dentro da prisão é mais fácil... Seguir as regras, os horários e gritar "Por favor!!!" para pedir permissão para executar qualquer movimento é, como já disse, bem mais fácil. 

Afasto de mim qualquer julgamento de valor (bom, mas já fiz alguns, né? E que isso nunca mais se repita, dona Maura!) porque, pra falar a verdade, acho que a intenção de Kazuichi não foi, ou foi?, a de levantar essa discussão e sim, mostrar sua calma rotina em que pequenas alterações de cronograma, como "quando o banho é transferido da manhã para a tarde por um único dia, o mero posicionamento diferente do Sol torna o evento uma experiência completamente diferente e marcante." 


Lido para o mês de fevereiro do Desafio O Mundo: 12 Livros, 12 Receitas

Já tenho uma ideia do prato típico japonês que preparei para esse mês e para janeiro também quando li dois livros do Benedetti e decidi que o Uruguai seria o primeiro país dessa volta ao mundo por receitas e histórias.

Beijos!

5 comentários:

  1. achei esse manga incrivel. Ganhei de um colega meu, ano passado. =D
    bj, Maura
    http://torporniilista.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. que legal Maura! Estou atrás de literatura oriental, confesso que não conhecia esse autor, mas dica anotada!
    bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem legal, Mel, se algum dia ler Na prisão me diz se gostou :D

      Excluir
  3. Eu li esse no Ensino Médio! Curti muito, e olha que eu só lia mangá shoujo na época! =D
    Beijo, Maurinha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Clarinha, que legal :D
      Foi uma surpresa boa esse mangá!

      Excluir

Obrigada pelo comentário ^^

Respondo todos (ou quase todos) os comentários nesse mesmo espaço.
E assim que possível, retribuo a visita em seu blog/site ou te pago um café na padaria mais próxima!
Marque a opção "Notifique-me" para saber quando seu comentário for respondido e não esqueça de deixar o link do seu blog/site para eu visitar depois!

Beijos,
Maura C. Parvatis!