16 de janeiro de 2014

Quero Assistir #2: Cairo 678 e A Separação

Enquanto folheava uma revista, li dois minúsculos textos sobre os filmes da postagem de hoje e ambos despertaram a minha curiosidade por seus enredos, e porque na época em que eles foram lançados no Brasil (2012) não lembro de ter lido nada sobre ambos. O que é explicável porque essa revista é de dois anos atrás e só anteontem decidi folheá-la, se a tivesse lido na época com certeza já teria visto um dos filmes. 
É... Tenho que parar com a mania de comprar ou pegar revistas em lojas (guias de compras) e ler anos depois T.T

Bom, confiram as sinopses e trailers:



A Separação 

(Jodaeiye Nader az Simin, Irã, 2011)

Dirigido por Asghar Farhadi

Com Peyman Moaadi, Leila Hatami, Sareh Bayat, Shahab Hosseini, entre outros.

Simin e seu marido Nader, estão se preparando para deixar o Irã, com a filha Termeh. Mas Nader, preocupado com seu pai, que sofre de Alzheimer, acaba desistindo da viagem. 
Decepcionada, Simin, entra com pedido de divórcio, que é negado pela vara de família. Ainda assim, ela decide sair de casa, deixando Termeh, para trás. 
Sem conseguir lidar com todas essas mudanças, Nader, contrata a jovem Razieh, para cuidar de seu pai doente. Grávida, a moça está trabalhando escondida do marido.







Cairo 678 
(678, Egito, 2010)
Dirigido por: Mohamed Diab
Com Boshra, Nelly Karim, Maged El Kedwany, Nahed El Sebaï, entre outros.


O filme é baseado em três tramas paralelas de três histórias reais de três mulheres egípcias. 
Fayza é uma dona de casa pacata e mãe de dois filhos, que não consegue evitar o assédio diário ao pegar o ônibus. No outro lado da cidade vive Seba, uma endinheirada designer de joias que, após ser violentada durante um jogo de futebol, passa a ensinar outras mulheres a se defender. Já Nelly virou alvo de todo o país ao se tornar a primeira egípcia a apresentar uma queixa na justiça por assédio sexual.
Ela aborda sobre uma questão muito sensível no Egito e expõe as implicações e as circunstâncias de assédio sexual na vida dos personagens principais. O filme pinta um retrato sem concessões da sociedade egípcia a partir dos pontos de vista de três mulheres de diferentes classes sociais unidos por sua decisão de não mais permanecer em silêncio as vítimas de assédio sexual.



Já assistiu alguns dos filmes?
Acredito que verei Cairo 678 ainda essa semana e você, se interessou em assistir algum deles? 

:)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário ^^

Respondo todos (ou quase todos) os comentários nesse mesmo espaço.
E assim que possível, retribuo a visita em seu blog/site ou te pago um café na padaria mais próxima!
Marque a opção "Notifique-me" para saber quando seu comentário for respondido e não esqueça de deixar o link do seu blog/site para eu visitar depois!

Beijos,
Maura C. Parvatis!