17 de janeiro de 2014

Carrie, a estranha por Stephen King

Carrie, a estranha foi a estreia de Stephen King e o segundo livro que li do escritor. 

Na cidade de Chamberlain, Carrieta "Carrie" White é uma adolescente de 16 anos vítima de zombarias e humilhações por parte de seus colegas de escola desde a infância. Filha única de Margaret White - uma fanática religiosa que criou a filha 'impedindo-a' de ter um vida parecida com a de seus colegas - sua vida em casa não é menos pior.
Carrie é vista como estranha pela maneira que se veste e seria mais uma adolescente angustiada com sua representação perante seus colegas, a de desajustada socialmente, se não fosse por ter dentro de si, um ódio profundo além de poderes telecinéticos.  

Enquanto tomava banho no vestiário feminino, Carrie menstrua pela primeira vez e é novamente humilhada pelas colegas de turma, suas atacantes não imaginariam que aquela 'nova humilhação' tão comum desde sempre, seria o início do fim. O fim da entrada de Chris Hargensen para o baile da escola e o término de um período na vida de Carrie.



Com o despertar de sua sexualidade, a necessidade de libertação da opressão materna e seu poder telecinético (este adormecido dentro da garota) ganham forças após o início tardio do seu ciclo e o choque inicial oriundo dele. 
Carrie passa a contestar a mãe negando-se a pagar por pecados que não cometera já que quem havia pecado era a mãe que não havia contado nada para ela. E a consciência de querer ter uma "vida normal antes que seja tarde" faz com que ela aceite um convite para o baile. 
Carrie não é sua mãe, não enxerga na sua condição de mulher um pecado e não quer seguir o mesmo caminho dela. 

A voz do narrador onisciente transita entre a personagem principal e pessoas envolvidas com ela, a professora de Educação Física que presencia a cena do vestiário e se enfurece com as garotas, os administradores da escola que decidem puni-las e Sue Snell que - junto de suas colegas - ridicularizara Carrie e que se mostra arrependida por ter participado da ação, como para se redimir, ela convence seu namorado, Tommy Ross, a convidar Carrie para o baile. 

A narrativa também apresenta trechos de documentos (as minhas partes preferidas!) publicados após a Noite do Baile: trechos de livros, notícias, relatório de uma comissão, artigos, transcrições e depoimentos de pessoas que conheceram Carrie e/ou presenciaram a noite em que o seu poder é libertado e a jovem banha de sangue a cidade em que nascera e sofrera. 
Para mim, a presença desses documentos faz com que o leitor compreenda o passado pela perspectiva de alguém que não estava lá. Hipóteses que são, ou não, respondidas ao longo da história em que sabemos da verdade pela próprias personagens.

Gostei bastante de Carrie, a estranha, menos do que havia esperado porque o suporte escolhido (e-book) mais a tradução da edição (uma bem antiga da Nova Fronteira) em que li não me agradaram por apresentar muitos erros de digitação que passam despercebidos durante a digitação de um livro. Achava que isso não afetaria a leitura, mas ela tornou-se menos proveitosa por isso... Mas do que estou reclamando mesmo? Nem paguei pelo livro! HAHA 
E, ah, novamente, outro final do King me deixou com um sorrisinho na cara: ele escreve histórias de suspense e terror sensacionais (já posso afirmar isso mesmo não tendo lido nem 1/4 da obra dele, posso, né?) e com uns finais ótimos! 

Carrie, a estranha está no topo da minha lista de releituras, de preferência com a tradução de Adalgisa Campos da Silva naquela edição da Ponto de Leitura (adoro aqueles pockets!). Sim, isso é um pedido de 'presente', quem quiser me presentar com esse livro... Aceito! 

Leia Também:
Como propriamente não fiz uma resenha satisfatória, compartilho dois links:



Livro lido o Mês de Janeiro: Livros que Viraram Filmes dDesafio Literário Skoob 2014.

16 comentários:

  1. Eu também estou precisando reler Carrie, li na adolescência! o.O Também gosto muito das edições da Ponto de Leitura, única que me decepcionou um pouco foi a de Dança Macabra, acho que correram um pouquinho pra lançar, rs... Mas nada grave! Tenho vários do King dessa coleção e também tenho muito dele pra ler... o.O

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tô pensando aqui, acho que vou reler em dezembro: pra fechar bem o ano numa edição da Ponto, de preferência minha para deixar mais feliz minha estante :P
      Eu lembro de ter lido a sua resenha comentando a edição de Dança Macabra.
      Fui olhar os livros lançados dele e fiquei: CARA, quando completar 80 anos leio tudo isso T.T São muitos livros, rs.

      Beijos!

      Excluir
  2. Oi Maura! Gostei muito das partes que continham "documentos" sobre o que aconteceu também, deu um tom diferente ao livro.
    Só estou na espera de que lancem um filme com o final original :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Sarah! :D
      Deveriam lançar porque o final é muito bom. Quero ver o filme de 76 que parece ser muito bom ^^

      :*

      Excluir
  3. Oie,
    nossa não conhecia o livro. Confesso que li um livro do autor e não curti, mas este parece ser interessante.
    Voou anotar a dica.

    bjos

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você gostará de Carrie se ler, Vanessa ^^

      :*

      Excluir
  4. Como assim, não ficou lá essas maravilhas?! Sua resenha está ótima. Nunca li nada do King, talvez seja uma boa maneira de começar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, obrigada, Flávia :D
      Sim, essa é boa maneira, acredito que você gostará desse livro o/

      :*

      Excluir
  5. Eu adorei ter lido "Carrie" no ano passado. Nem entendo porque demorei tanto para ler...
    Impossível não se colocar no lugar da garota, não sofrer com ela e não partilhar de sua sede de vingança, né? E os documentos também foram o toque especial para mim. Que haja mais Kings no seu caminho!
    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Michelle, eu fiquei arrependida por ter evitado tanto esse livro nos últimos anos, sempre 'pensei' em lê-lo mas deixava pra depois :S

      Oba!!! É o que eu espero :)

      :*

      Excluir
  6. Tem alguns livros do Stephen King que espero ler um dia, e isso inclui “Carrie, a Estranha”. Maura, acredita que nunca li nada do King, só vejo as adaptações cinematográficas. Sobre o livro em questão vi as três adaptações e recomendo o filme de 1976 (excelente!).
    Deixa disso, sua resenha está ótima! ;)
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que leia algo do King em breve e goste, Lulu.
      Esse ano quero ver o filme de 76 =D

      Se você diz, acredito <3

      Beijos!

      Excluir
  7. Eis o meu livro favorito do King (até então). Quanto a questão do ebook, acho que você tem o mesmo arquivo que eu. Reli recentemente o livro, dessa vez em ebook e a má formatação realmente prejudica a leitura. Aconselho você depois tentar ler o livo fisico, vai sentir uma diferença enorme. Curti a resenha :)

    http://cantinadolivro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carlos, que legal saber que é o seu favorito!
      Assim que tiver uma pausa nas leituras obrigatórias, vou fazer empréstimo na biblioteca e relê-lo!
      :D

      Obrigada pelo comentário!

      :*

      Excluir
  8. Maura, eu nunca li acredita? Adoro o sr. King mas como vi esse filme bem nova, acabei não pegando o livro pra ler! Mas depois dessa resenha (incrível simmm!!! faz mais resenha, por favor!!!) vou abrir ela no kindle e dar uma olhada :D
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá uma olhada, Tati!!! Acho [acho, não, tenho certeza de] que você curtirá :D
      Ah, depois das suas palavras, vou escrever mais resenhas, viu *.*

      :*

      Excluir

Obrigada pelo comentário ^^

Respondo todos (ou quase todos) os comentários nesse mesmo espaço.
E assim que possível, retribuo a visita em seu blog/site ou te pago um café na padaria mais próxima!
Marque a opção "Notifique-me" para saber quando seu comentário for respondido e não esqueça de deixar o link do seu blog/site para eu visitar depois!

Beijos,
Maura C. Parvatis!