28 de outubro de 2010

O Meme de um Mês: Dia 28 – Este ano, em grande detalhe

Em grande detalhe, é? Então bora lá!

Li um livro do Ziraldo e passei a adorar esse cartunista e, sim, ótimo escritor.
Pela primeira vez em minha vida, pulei Carnaval. E não aquele Carnaval de sambódromo de São Paulo. E sim, carnaval de rua com direito à trio elétrico e banho de cheiro pelas ruas estreitas e antigas de Caravelas que eu passei a odiar menos em 2010 por ter descoberto que aqui não é tão ruim quanta aparenta ser. Se eu for entrar em detalhes sobre essa minha mudança, você iria dormir de tão entediante que seria esse primeiro parágrafo. Devo agradecer aos meus primos e primas por terem me acolhido, curtir Carnaval com eles valeu a pena, mesmo, eu sendo uma pessoa chata e não saber dançar! 

Quase passei para o período matutino e me arrependo, hoje, por não ter permanecido na turma da manhã, minha classe esse ano... foi a pior em anos. Meu, estou quase me formando no colégio, TERCEIRÃO, e fui - justo - me despedir do Ensino Médio com uma classe como a a atual. Classifico o 3° ano C em única palavra que seria um palavrão bem cabeludo. Não sentirei saudades deles, de cinco, seis pessoas talvez mas dos demais, espero que eles sejam bem infelizes :) 
Decidi que, SIM, Letras é o curso pelo qual demorei a me decidir mas que sei que será o meu trunfo, desde pequena evidenciava de que seria uma professora, trocava fácil, fácil uma boneca por um caderninho, lápis e giz e as bonecas, aquelas que desprezava, eram minhas alunas. 

Esse foi o ano em que conversei muito, falei tanto a ponto de me tornar a chata do grupo, a matraca, sabe :/ Também conheci novas pessoas e as que já conhecia ou me aproximei mais ou me afastei completamente, acontecimentos sendo os causadores ou mesmo as mudanças de cidade, comportamento e por aí vai.

2010 também foi o ano que menos li, da meta inicial de 50 livros abaixei para 30 e no final, estipulei 20 porque esse ano sofri de uma ressaca literária brava e nos últimos três meses, a literatura de ficção, não-ficção, nem mesmo os auto-ajuda estão me ajudando a sorrir mais ou mesmo sentir prazer em ler. Nem em escrever sinto aquela sensação prazerosa de antes, por isso minhas histórias foram sendo deixadas de lado até serem largadas nas gavetas ou nas pastas do computador.

Musicalmente, meu irmão foi quem me deixou antenada sobre o que de bom rolava, apresentando-me novos artistas, principalmente, do exterior - principalmente. Ouvi de tudo um pouco, Móveis Coloniais de Acaju, Portugal. The Man, T.Mills, Kary Perry, Holger e tantas outras. 

Deixei de lado o Rock and Roll e me tornei mais eclética. O clima daqui ajudando-me a achar forró, arrocha, sertanejo dançável, não tenho culpa por possuir quadris que não metem e não ligar para a opinião dos outros, dançar na rua, cantar Fugidinha ou  Tarraxa aqui/ Tarraxa lá/ Tarraxa que eu quero dançar não tem problema algum, quando as pessoas que me verem pagar esse mico serem desocupados ao ponto de ficarem comentando que a filha de Sebastião Gonçalves fica fazendo isso ou aquilo. 
E pessoas desocupadas existem aos montes em Caravelas, pessoas que vivem para fofocar a vida alheia, inventar fofoca, falar dos filhos dos outros e não cuidar dos seus. 
Ser chamada de homossexual não tem problema algum, fui tachada de lésbica, sapata por não ter engravidado ainda ou ter beijado duas dúzias no Carnaval, o problema é o modo como as pessoas daqui tratam os gays, como se eles fossem doentes... 
MEU DEUS, adoro todos os gays que conheci aqui, poucos, e os de São Paulo, pessoas honestas e de coragem por terem enfrentado uma sociedade tão preconceituosa e hipócrita como a nossa. E se eu fosse lésbica, meus pais, minha linda família me amaria ainda mais, saberiam que haviam criado uma filha capaz de romper preconceitos, tabus em busca de respeito e igualdade. 
Mas como eu amo um garoto em especial, f*dam-se vocês, seus porcos filhos da mãe! 

2010 foi o ano dos meus Seveteen Forever, haha, quando tinha 14 anos sonhava com meus 18 e quando completei 17, senti que não, não queria fazer 18, a maioridade, a tal liberdade, a independência não era tão sonhada quanto antigamente. Por isso, esse ano, vivi meus 17 anos com certo saudosismo, com mais carinho do que o esperado. E como diz a música do Metro Station: We're one mistake from being together / But let's not ask why it's not right / You won't be seventeen forever / And we can get away with this tonight. 

E esse ano, eu me senti mal por muitas atitudes, por declarações e atitudes alheias. 

Esse ano, mostrei meu lado consumista, bolsas e mais bolsas. ''Eu poderia estar gastando meu dinheiro com drogas, álcool e outras coisas... Deixe-me comprar bolsas, ué!'', um dos meus argumentos para minha tia. E não tenho culpa por minha mãe saber que adoro bolsas carteiro e me mandar uma de presente de Dia das Crianças, e eu sou criança, sim, a filha, neta e prima caçula, FALOU! 

Diria que meu coração bateu mais rápido esse ano também por uma pessoa, mas entrar em detalhes é pedir pra ter que contar para as amigas, e elas - infelizmente - serão poupados até o dia em que eu souber que: já era, o amor platônico que não era tão platônico assim pode ser levado adiante. E escrever isso em meu blog é pedir para ser inquirida pelas amigas, se mata, Maura!

Esse ano, aprendi o verdadeiro valor da palavra família. 

Meu cabelo cresceu, está no ombro e mais volumoso e armado do que antes, e mesmo sendo difícil manter fios longos deixarei que eles cresçam até a cintura para depois cortá-los, como sempre faço. 
E falando em cabelo, vou passar para meu peso que despencou drasticamente nos últimos meses, receio que não voltarei aos meus 55 quilos, infelizmente, quando eu voltar a ser FELIZ O TEMPO INTEIRO, meus pneuzinhos voltem a fazer parte de mim, por enquanto, eles são passado e voltar a usar 38 não é tão animador. 

Se em 2009 eu quase não saí de casa, esse ano, me superei, dormi algumas dezenas de vezes na casa da Larissa Andrade. Obrigada, Lari, por me aturar. 

Também tive muito esse pensamento: Seria muito querer dormir: estudante do Ensino Médio recém-formada e acordar aluna do curso de Letras daquela universidade estadual supimpa que almejo? Essa é uma das perguntas que faço, seria muito querer apenas dar um basta em toda a palhaçada que é o ensino público do país, parar com esse lance de decorar, decorar e decorar para nos mandarem embora e cada um seguir seu rumo, uns estudar como malucos para entrarem na universidade, outros casarem, outros irem plantar suas ervas... De 2010 eu só peço que ACABE e que eu me forme sem precisar passar por recuperação ou dependências, é claro que não sou hipócrita em pedir isso e não fazer nadica de nada para conseguir, estou ralando, decorando, argh, e mantendo minhas notas no alto para acordar estudante universitária após um pesadelo assustador que foi os anos do Ensino Fundamental e Médio em minha vida.


Nos últimos tempos voltei a falar com a Priscila Calixto após meses e meses de apenas recadinhos aleatórios no Orkut. Minha eterna e adorada vizinha da ZN de São Paulo.


Fui apresentada ao talento do João Lucas de Oliveira em seu mangá amador, que é nota 10, de nome Clãs e que eu sei que será publicado e conquistará o mundo, como os romances que escrevo um capítulo por ano. 
Também conheci pessoas legais pela Internet que são donas de blogs literários, ou não, que estão em meus Favoritos e se eu parasse para citar todos, esqueceria de alguns, mas em especial, o Livros & Bolinhos da Juh Oliveto, foi um dos que mais adorei conhecer :')


E não posso deixar de citar, meus professores que, mesmo alguns sendo negligentes com nosso ensino, serão lembrados como aqueles que me influenciam - ainda mais, mais - a seguir a carreira deles, aprender a enxergar os números com outros olhos, as Exatas, foi a maior conquista nesse ano letivo que se encerra em menos de 35 dias. 


E, sim-sim, não devo esquecer de citar as pessoas queridas que não estão comigo aqui, minha flor, Andréia Pina, minha tia preferida, Nena Light - nem queiram saber o motivo desse apelido, minhas antigas amizades e as inimizades, é claro, eu sinto saudades de possuí-las. 

Acredito que faltará muita coisa nessa postagem sobre meu curto/longo ano de 2010. 
Um ano que eu não planejei, apenas deixei acontecer e não me arrependi por ele, chorei - admito - por besteiras, mas chorei rindo ao saber que minha vida é o roteiro de um filme de baixo orçamento mas de trilha sonora digna de premiação. 

Para mais informações sobre O Meme de um Mês, clique aqui. E para ver os outros dias, aqui.

2 comentários:

  1. que legal Maura ^^

    obrigado por me citar denovo
    emocionado T.T

    ResponderExcluir
  2. MEU DEUS!
    QUE FOOOOOOOOOOOFA!
    AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI ad infinitum você ter citado o L&B!
    Ganhar você como leitora também foi SUPER especial. Afinal, quem mais deixaria coments lindos e enooooooooormes? *-*

    XUXU!
    UM SUUUUUPER BEIJO! \o/
    Juh Oliveto
    Livros & Bolinhos ~

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário ^^

Respondo todos (ou quase todos) os comentários nesse mesmo espaço.
E assim que possível, retribuo a visita em seu blog/site ou te pago um café na padaria mais próxima!
Marque a opção "Notifique-me" para saber quando seu comentário for respondido e não esqueça de deixar o link do seu blog/site para eu visitar depois!

Beijos,
Maura C. Parvatis!