11 de setembro de 2010

Quero Ler #2

Três livros que desejo muito ler, quero, mas que estão na fila para serem adquiridos, comprados ou encontrados nas bibliotecas da cidade.

Slam  - Nick Hornby
Sam vivia aquela que parecia ser a melhor fase da sua vida. A mãe tinha se livrado daquele namorado mala do Steve, a professora de arte o incentivava a fazer faculdade, ele tinha aprendido duas novas manobras no skate e ainda havia a Alicia, a garota mais linda e descolada do mundo. Para completar, tinha também os conselhos de Tony Hawk, tirados diretamente do pôster da parede do quarto e das linhas do livro autobiográfico do campeão de skate – que Sam leu mais de 50 vezes. Mas como nada permanece igual por muito tempo, não demorou para tudo começar a mudar. E neste caso, um pouco para pior. Mas antes de contar como ele levou o maior tombo de sua vida, um verdadeiro "slam", o protagonista passa algumas informações importantes para o leitor. Agora, enquanto escreve, ele já tem 18 anos. E é aí que rememora o que aconteceu aos 16, quando estava no último ano do colégio, planejava estudar arte, passava horas andando de skate e começava a ter relacionamentos mais longos do que duas semanas. Naquela época, a mãe estava com 32 anos e o pai, 33. E quanto a ele. Bom, Sam também estava prestes a ser apenas 16 anos mais velho que seu primeiro filho... E nem o pôster de Tony Hawk, com suas respostas para tudo, sabia exatamente o que dizer sobre isso. Em questão de minutos, Sam levou um tombaço que virou sua vida de cabeça para baixo. Ele mal sabia que aquilo era só o começo. Para deixar a história mais curiosa para o público adolescente e um tanto mais atraente para os adultos, Hornby manda o garoto para o futuro. Não um futuro muito distante, mas longe o suficiente para deixar qualquer um - adultos e adolescentes – em estado de alerta. Aos poucos, o escritor revela os questionamentos que vão tomando conta do rapaz e as mudanças impostas pelo seu amadurecimento forçado, sempre com o tom engraçado e casual que faz dele um mestre em captar no cotidiano de homens em busca da sua identidade matéria-prima para seus romances. E demonstra a mesma habilidade para falar aos mais jovens que lhe rendeu milhões de fãs na casa do 25 aos 40 ao redor do mundo.

O Ladrão de Raios - Rick Riordan
Primeiro volume da saga Percy Jackson e os Olimpianos, O ladrão de raios esteve entre os primeiros lugares na lista das séries mais vendidas do The New York Times. O autor conjuga lendas da mitologia grega com aventuras no século XXI. Nelas, os deuses do Olimpo continuam vivos, ainda se apaixonam por mortais e geram filhos metade deuses, metade humanos, como os heróis da Grécia antiga.
Marcados pelo destino, eles dificilmente passam da adolescência. Poucos conseguem descobrir sua identidade. O garoto-problema Percy Jackson é um deles. Tem experiências estranhas em que deuses e monstros mitológicos parecem saltar das páginas dos livros direto para a sua vida. Pior que isso: algumas dessas criaturas estão bastante irritadas. Um artefato precioso foi roubado do Monte Olimpo e Percy é o principal suspeito. Para restaurar a paz, ele e seus amigos - jovens heróis modernos - terão de fazer mais do que capturar o verdadeiro ladrão: precisam elucidar uma traição mais ameaçadora que a fúria dos deuses.

Precisamos Falar Sobre o Kevin - Lionel Shriver
Lionel Shriver realiza uma espécie de genealogia do assassínio ao criar na ficção uma chacina similar a tantas provocadas por jovens em escolas americanas. Aos 15 anos, o personagem Kevin mata 11 pessoas, entre colegas no colégio e familiares. Enquanto ele cumpre pena, a mãe Eva amarga a monstruosidade do filho. Entre culpa e solidão, ela apenas sobrevive. A vida normal se esvai no escândalo, no pagamento dos advogados, nos olhares sociais tortos.Transposto o primeiro estágio da perplexidade, um ano e oito meses depois, ela dá início a uma correspondência com o marido, único interlocutor capaz de entender a tragédia, apesar de ausente. Cada carta é uma ode e uma desconstrução do amor. Não sobra uma só emoção inaudita no relato da mulher de ascendência armênia, até então uma bem-sucedida autora de guias de viagem. 
Cada interstício do histórico familiar é flagrado: o casal se apaixona; ele quer filhos, ela não. Kevin é um menino entediado e cruel empenhado em aterrorizar babás e vizinhos. Eva tenta cumprir mecanicamente os ritos maternos, até que nasce uma filha realmente querida. A essa altura, as relações familiares já estão viciadas. Contudo, é à mãe que resta a tarefa de visitar o "sociopata inatingível" que ela gerou, numa casa de correção para menores. Orgulhoso da fama de bandido notório, ele não a recebe bem de início, mas ela insiste nos encontros quinzenais. Por meio de Eva, Lionel Shriver quebra o silêncio que costuma se impor após esse tipo de drama e expõe o indizível sobre as frágeis nuances das relações entre pais e filhos num romance irretocável.


PS: Semana que vem, postarei um Quero Ler totalmente nacional pois eu, ao contrário do que você possa pensar, não desejo ler ou leio apenas livros de autores estrangeiros, valorizo muito a produção literária atual e antiga do meu país tropical. 

6 comentários:

  1. Você vai amar SLAM,é lindo o livro. *-*

    ResponderExcluir
  2. Eu quero ler Slam.. mas tenho 5 livros de andré vianco para serem lidos aqui..
    huauha

    ResponderExcluir
  3. KEVIN, um sonho de filho [@@],sendo idiota,vou procurar e ler slam parece ser bom!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHA, Diego!
      Comecei a ler Slam, mas tive que abandonar #mimimi

      Excluir
  4. adorei o Ladrão de Raios parecer ser muito interessante

    vou provurar

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário ^^

Respondo todos (ou quase todos) os comentários nesse mesmo espaço.
E assim que possível, retribuo a visita em seu blog/site ou te pago um café na padaria mais próxima!
Marque a opção "Notifique-me" para saber quando seu comentário for respondido e não esqueça de deixar o link do seu blog/site para eu visitar depois!

Beijos,
Maura C. Parvatis!